Escrevendo um plano de negócios

1.  Crie um plano de negócios. Um plano de negócios ajuda a definir o que você pensa ser necessário para começar a sua empresa, seja ela grande ou pequena. Ele sintetiza o sentido de seu negócio em um único documento. Além disso, ele cria um mapa para ser usado por investidores, bancários e outras partes interessadas ao determinar como podem ajudar você e se o negócio é ou não viável. O plano de negócios deve compor os elementos detalhados nos passos abaixo.

2.  Escreva a descrição de seu negócio. Descreva o seu negócio mais especificamente e o modo como ele se encaixa no mercado em geral. Se você é uma corporação, uma empresa limitada ou de propriedade única, afirme esses dados e por qual razão você escolheu seguir esse caminho. Descreva o seu produto, suas características mais importantes e por que as pessoas quererão tê-lo. Responda às seguintes perguntas:
Quem são os consumidores potenciais? Ao ter entendido quem eles são e o que querem, desenvolva uma estratégia de marketing.
Que preço estão dispostos a pagar por seu produto ou serviço?
Quais são os seus concorrentes? Faça uma análise competitiva para identificar os principais concorrentes no mercado. Descubra quem está fazendo algo similar ao que você planeja e saiba por qual razão obtiveram êxito. Tão importante quanto é encontrar as falhas e, ainda, o que fez com que seus empreendimentos falhassem.


3.  Escreva um plano operacional. 
Isso descreverá como você produzirá ou entregará o seu produto ou serviço e todos os custos envolvidos. Como você criará o produto? Trata-se de um serviço que você está oferecendo ou, caso se trate de algo mais complexo — um programa de computador, um produto físico como um brinquedo ou uma torradeira —, como será sua construção? Defina o processo, da obtenção de matéria-prima, passando pela montagem, até a conclusão, embalamento, armazenamento e transporte. Você precisará de pessoas adicionais? Haverá sindicatos envolvidos? Todos esses pontos devem ser levados em consideração.
Quem chefiará e quem seguirá? Defina a sua organização, desde o recepcionista até o diretor executivo e que propósito tem cada um desses níveis, tanto funcional como financeiramente. Conhecer a sua estrutura organizacional ajudará você a planejar melhor os custos operacionais e determinar quanto capital será necessário para um funcionamento eficiente.
Receba feedback. Amigos e familiares são uma excelente fonte para se fazer perguntas e receber um retorno — não hesite em usá-los para uma opinião sincera.
Prepare-se para a necessidade de aumentar o porte de suas premissas. Isso acontece com maior frequência do que é esperado. Quando as ações começam a subir, você pode descobrir que elas são limitadas apenas pelo seu espaço na sala, no quarto e na despensa. Pense em alugar um maior armazenamento, se necessário.

4.  Elabore o plano de marketing. O seu planejamento operacional descreve como você desenvolverá o produto, e o plano de marketing revela como você o venderá. Ao criar o seu plano de marketing, tente responder à pergunta de como você fará com que o seu produto se torne conhecido para consumidores potenciais. Inclua o tipo de marketing que será usado. Por exemplo, você usará comerciais de rádio, mídias sociais, promoções, outdoors, eventos de networking ou uma combinação de todas essas ferramentas?
Defina também a mensagem de seu marketing. Em outras palavras, o que você dirá para convencer os consumidores a escolher o seu produto? Aqui, você deverá se concentrar na proposta exclusiva de vendas. Essa variável representa a vantagem única que o seu produto tem para resolver os problemas de seu consumidor. Por exemplo, você talvez ofereça um custo menor, maior rapidez ou melhor qualidade do que os concorrentes.

5.  Elabore um modelo de apreçamento. Comece observando os seus concorrentes. Saiba por quanto eles têm vendido um produto similar. Você poderia agregar algo a ele (valor) a fim de tornar o seu diferente e, ainda, vendê-lo por um preço mais atrativo?

Concorrência não se trata apenas dos bens ou serviços propriamente ditos. Trata-se também de sua credibilidade social e ambiental. Os consumidores estão cada vez mais conscientes da necessidade de demonstrar que a empresa se preocupa com as condições laborais e não causa danos ao meio ambiente. Avaliações certificadas de organizações reputáveis, como estrelas, podem tranquilizar os consumidores e demonstrar que o seu produto ou serviço está mais alinhado com seus valores do que outro, que não tenha essas qualificações.

6.  Observe as questões financeiras. Os balanços financeiros traduzem os planejamentos operacionais e de marketing em números — lucro e fluxo de caixa. Eles identificam quanto dinheiro será necessário e quanto você poderá fazer. Uma vez que tal é a parte mais dinâmica do planejamento e, talvez, a mais importante para a estabilidade em longo prazo, é preciso atualizá-la mensalmente no primeiro ano, trimestralmente no segundo ano e anualmente, a partir daí.

7.  Cubra os seus custos iniciais. Como você pretende financiar a empresa, inicialmente? Banco, investidores de risco, investidores anjos, administradores de pequenos negócios e as suas economias são todas opções viáveis para começar. Quando você começar o negócio, seja realista. Você provavelmente não sairá da porta fazendo 100% do que você projetou e, por isso, precisa ter reservas suficientes para financiar o necessário até que tudo esteja plenamente estabelecido. Um dos caminhos mais certeiros para o fracasso é a subcapitalização.
A que preço você pretende vender o seu produto ou serviço? Quanto será o custo de produção? Determine uma estimativa superficial para o lucro líquido — considerando os custos fixos como aluguel, energia, empregados etc.

8.  Desenvolva um sumário executivo. A primeira parte de um plano de negócios é a realização do sumário executivo. Uma vez que você tenha desenvolvido as outras partes, descreva o conceito geral do negócio, como ele será monetizado, quanto financiamento será necessário, onde ele está no momento, incluindo sua posição legal, quem são as pessoas envolvidas, um breve histórico e tudo o mais que fizer com que ele pareça ser uma proposta vencedora.

9.  Desenvolva o seu produto ou serviço. Depois de ter o negócio planejado e financiado e uma quantidade básica de funcionários, comece a ação. Se você precisa se assentar com os engenheiros, codificar e testar os programas, comprar e enviar a matéria-prima para o local de fabricação ou adquirir um lote e determinar o preço, o processo de desenvolvimento representa o tempo no qual você se prepara para o mercado. Durante esse tempo, você pode descobrir algumas coisas, como:

A necessidade de modificar as ideias. Talvez o produto precise ter uma cor, textura ou tamanho diferente. Talvez os serviços precisem ser mais amplos, focados ou detalhados. Este é o momento para cuidar de tudo o que surgir durante as fases de teste e desenvolvimento. Você saberá instintivamente quando algo precisa de ajustes para ser melhorado ou para deixá-lo menos parecido a uma oferta ultrapassada dos concorrentes.

 

Administrando as finanças

1.   Garanta os custos iniciais. A maioria dos negócios requer capital para começar a funcionar. O dinheiro geralmente é necessário para a compra de suprimentos e equipamentos, além de manter o negócio operacional até que ele se torne rentável. A primeira opção de financiamento será você mesmo.

Você tem algum investimento ou poupança? Se sim, considere usar uma porção desse dinheiro para financiar o seu negócio. Você jamais deve investir toda a sua poupança em um negócio, por conta do risco de fracasso. Além disso, você nunca deve investir dinheiro separado para emergências (especialistas recomendam ter três a seis meses de renda guardados para essa finalidade) ou que será necessário nos próximos anos por conta de obrigações diversas.
Uma possibilidade é fazer uso do Crédito Imóvel Próprio, da Caixa Econômica Federal. É uma linha de crédito para pessoas físicas geralmente fácil de ser obtida (já que o seu imóvel se torna uma garantia no processo) e com taxas de juros bastante razoáveis. Nessa opção, você tem até 20 anos para pagar o montante, que vai de R$ 20.000,00 a 60% do valor do imóvel. Outra alternativa é antecipar a restituição de seu Imposto de Renda . Procure uma agência da Caixa Econômica Federal para saber mais sobre como solicitar uma dessas formas de crédito.
Se você tem um emprego formal, é possível fazer a antecipação do 13o salário com a Caixa Econômica Federal. Os valores vão de R$ 500,00 a R$ 20.000,00, com boas condições de contratação.
Considere poupar dinheiro antecipadamente como opção. Se você tem um emprego fixo, economize parte de sua renda mensal ao longo do tempo para cobrir os gastos iniciais do negócio.
Visite a instituição financeira de sua preferência para perguntar a respeito de empréstimos e linhas de crédito destinados a pequenos negócios. Lembre-se de conhecer várias opções diferentes para ter a certeza de que está conseguindo as melhores taxas.

2.  Administre os seus custos operacionais. Fique atento aos custos operacionais e mantenha-os alinhados às suas projeções. Sempre que você encontrar algum gasto excedente — eletricidade, telefone, artigos de escritório, embalagens etc. —, observe e estime quanto é realmente necessário, a fim de minimizar ou remover custos de qualquer forma possível. Pense frugalmente quando você começar e, inclusive, alugue itens no lugar de comprá-los e use planos pré-pagos por serviços necessários ao negócio, em vez de se prender a contratos de longo prazo.

3.  Tenha mais do que o mínimo. Você talvez tenha determinado que serão necessários R$ 200.000 para começar o seu negócio, e não há problema nisso. Você terá os seus R$ 200.000, comprará mesas, impressoras e matérias-primas e, assim que o segundo mês chegar com a produção ainda em curso, o aluguel por vencer e os empregados desejando receber, essas contas cairão todas em conjunto. Quando isso acontecer, o seu único recurso provavelmente será arcar com as despesas por conta própria. Se possível, tente ter reservas suficientes para um ano sem nenhuma renda.

4.  Economize ao máximo. Inicialmente, tente manter as compras de artigos de escritório e as despesas gerais no mínimo. Você não precisa ter um escritório fantástico, as poltronas mais modernas e caras obras de arte emolduradas nas paredes. Um cubículo no melhor endereço possível pode ser suficiente, se você conduzir os clientes astuciosamente para a cafeteria local para se encontrar(encontre-os na área comum). Muitas empresas fracassaram por estarem concentradas em comprar bugigangas caras em vez de manter o foco no próprio negócio.

5.  Decida como você aceitará o pagamento. É preciso tomar algumas providências para receber o pagamento dos clientes ou consumidores.

Uma conta empresarial consiste em um contrato sob o qual a instituição bancária estende uma linha de crédito ao empresário, que passa a realizar suas transações com algumas vantagens especiais. Diferentes bancos oferecerão possibilidades distintas e, por isso, é uma boa ideia conversar com o seu gerente para saber mais informações.
Observe que o PayPal oferece soluções semelhantes. Para se tornar um parceiro, basta se inscrever na página, sem nenhum custo.
Se você tem um negócio virtual, serviços como PayPal ou Bcash oferecem uma ótima forma de receber dinheiro e fazer transferências.

Cuidando dos aspectos legais

1.  Procure um advogado ou conselheiro legal. Haverá muitos obstáculos para se vencer, desde o momento em que você começa, como funcionário empregado, até se tornar o proprietário de um pequeno negócio. Algumas dessas barreiras estarão compostas por pilhas de documentos com regras e normas, da construção de alianças a portarias municipais, licenças regionais, exigências estaduais, taxas, impostos, contratos, ações, parcerias e mais. Ter alguém para quem ligar quando a necessidade surgir não somente trará paz de espírito, como também dará a você um recurso que pode ajudar muito no planejamento até o sucesso.

Escolha alguém que combine com você e demonstre entender bem o negócio. É importante que ele tenha experiência na área, pois um advogado novato pode causar problemas legais ou até mesmo resultar em multas ou encarceramento.

 

2.  Contrate um contador. Você deve ter alguém capaz de lidar com as suas finanças. Mesmo que você seja apto a lidar com essa área, ainda será preciso contratar alguém que compreenda a tributação envolvida na execução de um negócio. Quando se trata de uma empresa, a soma de impostos pode se tornar complicada e, por isso, será bom ter (pelo menos) um conselheiro tributário. Uma vez mais, não importando quanta responsabilidade financeira você tenha, essa pessoa deve ser alguém de confiança.

3.  Forme uma entidade de negócio. Você precisa decidir qual tipo de entidade profissional deverá ser, para fins de tributação e, em algum momento, atrair investidores potenciais. Isso será feito depois de decidir se você precisará do dinheiro de outros, em forma de crédito ou empréstimo, e com o aconselhamento de seus especialistas legais e contábeis. Trata-se de um dos últimos passos dados antes de você realmente gastar dinheiro ou pedi-lo a alguém. Muitas pessoas estão familiarizadas com os conceitos de corporações, sociedades de responsabilidade limitada etc., mas, para a maioria dos pequenos empresários, será preciso ser uma das seguintes opções:

Proprietário único, se você estiver cuidando (sem incluir empregados) do negócio por conta própria. Essa modalidade também recebe o nome de empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI).
Uma sociedade limitada (Ltda.), ou de responsabilidade limitada, é composta por alguns sócios responsáveis apenas pela quantidade de quotas investidas individualmente no negócio. Todos eles compartilham os lucros e as perdas na mesma medida.
A sociedade anônima (S.A.) pode ser de capital aberto (mínimo de três sócios) ou fechado (mínimo de dois sócios).

 

Divulgando o negócio

1.  Crie a sua própria página. Se você faz vendas pela internet, combine os seus conhecimentos virtuais e crie a sua própria página ou contrate alguém para fazê-lo em seu lugar. Ela será a imagem principal de seu negócio e, por isso, vale a pena investir em fazer tudo o que for preciso para que as pessoas queiram visitar e, ainda, permanecer nela.

Por outro lado, se o seu negócio for mais orientado para a experiência pessoal, os métodos de divulgação tradicional podem ser igualmente importantes. Por exemplo, se você estiver começando um negócio de paisagismo, concentre-se em falar a respeito para os vizinhos antes de construir uma página.
Durante a criação, tenha em mente que simplicidade e clareza são pontos essenciais. Um visual simples que afirma claramente o que você faz, como faz e o que cobra será sempre a opção mais eficaz de se comunicar. Ainda, lembre-se de enfatizar a razão pela qual o negócio é a melhor solução para os problemas de um cliente.


2.  Contrate designers profissionais.
 Se você tomou a decisão de criar uma página, é importante que ela tenha uma aparência profissional. Essa opção pode custar mais, no início, mas uma página bem desenvolvida e confiável é algo vital. Ela precisa aparentar profissionalismo e funcionar bem, com fluidez. Se você pretende incluir transações financeiras, invista em uma encriptação de segurança e garanta que as empresas de transferência são seguras e de confiança.

3.  Descubra o seu publicitário interior. Você talvez acredite plenamente no potencial do produto ou serviço, mas para alcançar o sucesso é preciso que todos também acreditem. Se você não tem experiência na indústria de publicidade e marketing ou, ainda, se não gosta da área de vendas, agora é o momento ideal para superar essas dificuldades e vestir a sua máscara publicitária. É preciso desenvolver uma mentalidade de vendas extraordinária para convencer as pessoas de que precisam de seu produto ou serviço, refletindo os valores, propósitos e potenciais do que o negócio oferece. Escreva esses pensamentos de várias formas, até encontrar algum que expresse tudo de uma forma rápida e simples. Depois, pratique sem parar!

Dependendo do negócio, pode ser bastante útil imprimir cartões de visita interessantes e bonitos.

 

4.  Invista tempo desenvolvendo uma excelente presença nas mídias sociais. Isso pode ser feito muito antes da conclusão do negócio para aumentar as expectativas do público. Faça uso de redes como Facebook, Google+ e Twitter, ou outras de que você participe, para gerar empolgação e divulgar a respeito. Você deve criar esse murmurinho para que as pessoas comecem a acompanhar o progresso de perto (prefira uma conta empresarial para o negócio e mantenha-a separada da pessoal — lembre-se que as mensagens enviadas devem ser escritas de forma diferente, dependendo da conta de origem).

 

5.  Implemente os planos de marketing e distribuição. Com o desenvolvimento do produto ou serviço, e uma expectativa razoável com respeito ao início das vendas, comece a divulgação.

Se você pretende divulgar em jornais, saiba que é preciso enviar cópias ou imagens com, pelo menos, dois meses de antecedência à publicação.
Se você pretende vender o produto ou serviço em lojas, esgote a pré-venda e consiga espaço nas gôndolas. Caso as vendas sejam pela internet, a página precisa estar pronta de antemão.
Se você estiver oferecendo um serviço, divulgue-o em jornais, revistas e páginas profissionais relacionadas à indústria.

 

Inaugurando o negócio

1.  Garanta o espaço. Quer se trate de um escritório ou galpão, se você precisar de mais espaço do que a garagem ou o quarto de visitas oferece, agora é o momento ideal para consegui-lo.

Se você não realmente não tem necessidade de um escritório fora de casa, mas às vezes precisa de um espaço para encontros, há lugares que podem servir para esse propósito. Uma busca rápida no Google por “aluguel encontro profissional [cidade/estado]” trará muitas opções disponíveis em sua área.
Lembre-se de contatar a prefeitura local com respeito às leis de zoneamento. Alguns tipos de pequenos negócios não podem ser executados domesticamente e, por isso, é importante garantir que a sua empresa esteja operando dentro de sua área adequada.

 

2.  Lance o produto ou serviço. Quando o produto estiver feito, embalado, codificado, online e pronto para vender, ou quando o serviço estiver definido e prestes a ser feito, organize um evento especial para inaugurar o negócio. Envie um comunicado à imprensa e anuncie-o para o mundo. Divulgue no Twitter ou no Facebook e deixe que todos, em cada fatia do mercado, saibam da novidade — você tem um novo negócio!

Faça uma festa e convide pessoas que podem espalhar as boas novas por você. Não é preciso fazer algo caro — compre comidas e bebidas em atacado e peça a familiares e amigos que ajudem com as refeições (você pode dar, em troca, um produto ou serviço como contribuição).

 

Dicas

Sempre dê valor e serviço àqueles que podem ser clientes, mesmo que não sejam no momento. Quando eles precisarem de seu produto, devem pensar primeiramente em você.
Com o advento da internet, um negócio online é provavelmente a forma mais fácil de iniciar e, ainda, muito mais barata em termos de custo inicial do que uma loja física.
Continue aprendendo e seja flexível à mudança. Encontre companheiros, mentores, organizações locais similares, fóruns virtuais e wikis onde conversar sobre os detalhes na gestão de um pequeno negócio. É muito mais fácil para todos cumprir bem com o negócio central e prosperar se não desperdiçarem tempo e energia tentando “reinventar a roda”.
Você também pode vender através de páginas como, Mercado Livre e OLX.
Não há problema algum em experimentar um pouco com os preços. Você deve determinar o valor mínimo a ser praticado para que o produto ou serviço seja compensado, mas faça testes com cifras mais baixas ou mais altas.
Sempre acredite em você mesmo, inclusive nos piores tempos financeiros.

 

Avisos

Tome cuidado com pessoas que pedem dinheiro antes de entregar o negócio. Trocas levam ao ganho através de ganho mútuo e, por isso, uma parte deve estar disposta a pagar pelo produto ou serviço (uma franquia ou um negócio doméstico podem ter custos iniciais reais, mas em proporção adequada, a fim de que você comece o trabalho e os superiores possam enriquecer com o sucesso obtido, e não apenas com a sua entrada).
Esteja atento a propostas que pareçam oferecer “algo em troca de nada”. É provável que eles envolvam tirar algo de alguém — e esse alguém geralmente é você. Há inúmeras variações, algumas sendo mais polidas do que outras, mas alguns exemplos incluem esquemas em pirâmide e fraudes com pagamento antecipado.

 

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se para receber mais notícias em primeira mão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *